LUIZÃO MONOBLOCO=VILÃO OU HERÓI? bye Michel Serdan

Lá pelos anos 60 a luta livre era uma loucura.                                                                                                                                                            A loja Pirani na Av. Celso Garcia no Bairro do Brás, era enorme como eram também as lojas da fabrica de Moveis Brasil, que colocavam em suas vitrines, televisores ligados, e, nas noites de sábado a multidão se aglomerava em frente das lojas para assistir, ao vivo, a luta livre.                                                                                                                                                                                                              Essa explicação é para que os meus amigos saibam que não era em todos os lares que tinha tv. Muitos lutadores eram ídolos naquele tempo. Um deles, mascarado, era Mister X junto com o lendário Fantomas.                                                                                                         Tínhamos muitos eventos, todos os dias se agente quisesse. O personagem Mister X que era esse que vos escreve, tinha 3 empresários que tinham obrigação de realizarem, cada um deles, pelo menos um show a cada 15 dias.                                                    Um deles , acumulava as funções de empresário, lutador e meu amigo. Era enorme 1,90 mts de altura e uns 120 kls e seu nome era Luizão.                                                                                                                                                                                                                                  A fabrica Mercedes Bens estava lançando uma novidade; Ônibus Monobloco. Ele não teve duvidas e passou a se chamar “Luizão Monobloco” porque a propaganda era um  ônibus grande, forte e poderoso. Todos os meus amigos sabem que sou um ex-seminarista. Fiz meus estudos em Lavrinhas depois em Pindamonhangaba.                                                                                                      O Colégio de Pinda, promovia de quando em quando, eventos com artistas, abertos ao publico afim de levantar fundos. – Neste ponto a memória me falha e não consigo me lembrar como aconteceu, mas de repente me vi com um contrato para um show numa festa do colégio em Pinda. Quando caí na real me vi como empresário e o problema era o seguinte: Eu não era empresário, não tinha ringue, não tinha transporte e também não tinha equipe de lutadores. A única solução era procurar o Luizão Monobloco e oferecer sociedade, meio a meio, porque ele tinha tudo isso e foi o que fiz.                                                                                                                  Chegou o dia do show, eu me sentia importante, tinha um sócio, mas tudo bem, o show era meu. Já fazia mais de ano que eu era um componente da equipe do Luizão Monobloco e a luta final era sempre entre Luizão versus Mister X. Sem falsa modéstia, era um lutão, para fechar qualquer programa de TV. Naquele dia estranhei, Luizão, alegando cansaço não quis lutar comigo, quer dizer com Mister X. Preferia fazer a semi final com outro lutador.  No ringue, lutando, um mal pensamento me veio a cabeça.                    Acabada a luta, me troquei, mesmo sem tomar banho e dirigi-me até a secretaria onde ficava o Padre encarregado do pagamento.  Ao me ver, o Padre elogiou e agradeceu pelo show e informou que já havia pago para meu sócio. Agradeci e com o coração apertado retirei-me.Eu não havia apresentado nenhum sócio, isso era coisa minha e do Luizão Monobloco. Luizão foi logo informando, já recebi, tá tudo certo.                                                                                                                                                                                                Desmontado o ringue, entramos, eu e os lutadores, na kombi do Luizão e pegamos a Dutra em direção a SP. Já anoitecia, paramos para comer, Luizão pagou a conta. Perguntei se íamos acertar a nossa conta. Luizão explicou, amanhã, preciso somar minhas despesas, tenho recibo de tudo, gasolina, cachês, lanches, amanhã na minha casa ás 10 da manhã. Luizão morava na Rua: São Jorge, ao lado do Corinthians. Toquei a campainha, uma das filhas abriu a porta e fez sinal para que entrasse. Ao entrar na sala, deparei-me com a família toda (ele tinha sete filhos) sentada ao redor de uma mesa e ele na cabeceira,  pediu-me que sentasse na única cadeira vazia e foi o que fiz. O silencio era mortal. Luizão então abriu uma bolsa, tira um revolver enorme, empurra para meu lado e diz: Michel Serdan, devia 3 meses de aluguel, água, luz e mercado paguei tudo, acabou o dinheiro, pode pegar o revolver e me dar um tiro.                                                                                                                                                                                                                                Olhei para as pessoas ao redor da mesa, a mulher dele chorava. O silencio me machucava eu queria pegar o revolver e dar um tiro na minha cabeça. Eu precisava tanto daquele dinheiro eu também tinha contas á pagar.                                                                                  Empurrei o revolver de volta e disse: Nunca se esqueça, você me deve! Continuei a lutar para ele mais de ano até ele voltar para o Rio de Janeiro. Todos os cachês eram sempre muito bons e nunca conferi mas com certeza recebi tudo com juros.

Deixe uma resposta