“SOU DO NORTE-BOM DE BRIGA E DOU SORTE” by Michel Serdan

Esta história já contei no orkut, mas como tenho muitos amigos que não estavam comigo naquele tempo, vou conta-la novamente. Sai ano, entra ano e o que vocês irão acompanhar a partir de agora é muito triste e eu me sinto um pouco culpado por tudo o que aconteceu.                                                                                                                                                                                                                         Foi assim: Foi lá pela década de oitenta e eu tinha uma equipe fixa de lutadores e nos apresentávamos em circos, todos dias menos nas segundas feiras, que era o dia de ir até o Largo do Paissandu, onde se reuniam os “Cirqueiros”, que são os donos dos circos, para fecharem a semana com shows. Era uma festa, o artista que não tinha empresário ia pessoalmente acertar datas para a semana, e, era o meu caso.                                                                                                                                                                                                                    No dia anterior, domingo, ultimo show marcado e estávamos voltando em nosso ônibus quando eu voltei a discutir com um lutador. Hélcio Rosa” lutador nordestino, que já estava comigo, em minha equipe à uns 3 anos.                                                                        Lutador bom, acima da média, não era lutador para fazer uma final, mas como ele era muito divertido invariavelmente abria os meus shows.                                                                                                                                                                                                                  Fora do ringue era quieto, evangélico, estava sempre lendo a Bíblia ou então fazendo “palavras cruzadas”, ele era  o lutador perfeito se não fosse por um grande problema: Bebia! Ás vezes passava da conta. Eu ficava louco de raiva, pois detesto sentir cheiro de bebida nas pessoas, se estiver bêbado então…                                                                                                                                                             É que eu não consigo confiar num alcólatra, mas ele era tão bonzinho, nunca respondia quando chamado à atenção.Naquela noite não conseguiu lutar de tão bêbado que estava. O programa eram só três lutas e eu não tinha lutador reserva, imaginem o problema! Hoje eu até acho graça, porque eram os próprios Cirqueiros que o embebedavam. Escondido de mim, levavam-no para suas casas (barracas-Traylers) e ofereciam-lhe uma bebidinha. Todos gostavam dele.                                                                                                           Deixa eu voltar naquela noite. Como já tinha percebido que ele vinha bebendo á alguns dias, chamei-o a atenção e pela primeira vez ele respondeu. Xinguei, falei até o que não devia. No ônibus a caminho de volta, voltei à carga, ele então pediu demissão.                                                                                                                                                                                                                                                                 Não era isso que eu queria, gostava dele e pior, sabia que iria fazer falta. Calei-me. Chegamos cada um foi para sua casa e eu não vi o Hélcio Rosa ir embora. No outro dia, segunda feira, ás 14h00 já estava no Largo do Paissandú negociando datas com os donos dos circos, foi quando eu o vi. Seria normal que lá chegasse pois era um lutador profissional e tinha outras equipes de luta livre e com certeza estava á procura de serviço.                                                                                                                                                                                  Fechei todos os dias da semana mas lá continuei, sempre de olho nele, arrependido. Percebi quando um lutador se aproximou dele e passaram a conversar, fiquei preocupado. Aquele lutador tinha lotado um circo no dia anterior, domingo, e tinha desafiado e Bam Bam Bam da cidade para uma luta  naquela segunda feira e o cara tinha aceitado. Naquela noite iria ter, uma luta de profissionais e a  outra era do desafio.                                                                                                                                                                                                    Aquilo não me agradou pois conhecia o lutador e sabia que os seus desafios geralmente terminavam em encrenca e briga envolvendo todos e o Hélcio não era de briga. Quando o outro se afastou fui até ele, pedi desculpas, o meu medo se confirmou. Dali ele iria para a cidade de Itupeva para o desafio. Pedi para que não fosse, era perigoso. Pedi também para que voltasse para a minha equipe. Não quis! Ás 3h00 da madrugada fui acordado e o delegado da cidade pediu-me para que fosse até  a cidade de Itupeva identificar o lutador morto. Houve uma briga no circo e o Hélcio Rosa havia levado uma facada no coração.

Quando ele entrava no ringue dizia:(Sou do Norte-Sou bom de briga e dou sorte) em seguida se enroscava nas cordas, caía – todos riam.

Deixe uma resposta