MOTOCICLISTA: O QUE JÁ CAIU E O QUE VAI CAIR = by Michel Serdan

Sábado, dia 24 de setembro, ainda não completou um mês, e, como faço todos os sábados, fechei a academia ás 12 horas. Antes porem, deixe explicar que, aos sábados gosto de vir trabalhar de moto, se o tempo estiver bom, claro, mas, voltando ao assunto (quem lê as minhas histórias já sabe que tenho a mania de me desviar do foco) coloco o capacete, pego a Av. Salim Farah Maluf vou até o fim, entro na marginal, mais 3 minutinhos estarei em casa e a Aida me esperando para o almoço.                                                                                                                                                           Foi então que conheci uma garota linda, uma princesa, que mostrou que nem tudo neste mundo esta corrompido. Eu a conheci da pior maneira possível.                                                                                                                                               Sem muita experiencia com o transito de São Paulo, carta nova, lá vinha ela, na pista do meio da marginal, quando resolveu, ou lembrou, que tinha que subir o viaduto do Tatuapé, já que se dirigia ao bairro do mesmo nome e, sem vacilar passou para a pista da direita. Só que nesse mesmo momento, na pista da direita, seta ligada para a esquerda, lá vinha eu com meu bólido de 600 cc. a 40 km por hora e recebi a pancada. Foi tudo muito rápido, o carro da princesa pegou na roda da frente da moto que girou, me vi  voando, cai de cabeça, rachando o capacete fui jogado a alguns metros da moto.                                                                                                                                                                                               Adivinhe quem foi a primeira pessoa a chegar para me socorrer?  Ela a princesa, desesperada, chorando, aliás chorou o tempo todo e eu ali deitado no chão, tentando consola-la, aliás o namorado dela, me parece que o nome é Pierre, ligou no domingo para saber do meu estado, me confidenciou que ela ainda estava chorando.                  Em seguida, fui atendido por um Bombeiro da PM, que não me deixava levantar. Chegou também o resgate, me recusei a ir para o Hospital e deixar a moto no local, afinal de contas eu estava bem, só tinha as mãos (estava sem luvas) raladas do asfalto, a calça rasgada, com os joelhos estourados, os cotovelos idem. Mais tarde tive de ir para o Hospital, eram muitas dores e descobri que estava com a costela quebrada e uma luxação na clavícula, o resto, quando eu sorria, por exemplo, não doía.                                                                                                                                         A Princesa, cujo nome é Andressa ficou comigo até o fim, chorando claro. Tem seguro contra terceiros e uma corretora, Jaqueline, que sabe dar valor aos clientes e não os abandona nunca e já avisou que daqui a alguns dias a moto estará pronta, novinha,moto-1-001 de novo.                                                                                                                                                 Um abraço a toda a família.

Deixe uma resposta