“A Viagem Inesquecível” – by Michel Serdan #93

Corria o ano de 1982, quando fui contratado por uma agencia de eventos para realizar 10 shows em Belém do Pará. Como tinha assuntos importantes para resolver em São Paulo, contratei o meu amigo lutador Cangaceiro como capitão da equipe, composta de oito lutadores e um juiz, e mandei o ônibus embora para o Pará. Vale dizer aqui que o ônibus tinha um certo conforto. As peças do ringue e os feltros formavam grande leito na traseira, porque os bancos haviam sido retirados do meio para trás e viajavam dois motoristas que se revesavam e os lutadores só acordavam para comer.

Resolvi meus problemas e três dias depois embarquei num voo para Belém. Lá chegando fui direto ao Hotel designado pela contratante, coincidentemente o ônibus que tinha rodado dia e noite estava encostando na frente do Hotel causando o maior reboliço. Tudo resolvido, cada quarto com dois lutadores e ninguém saiu mais, tão cansados estavam todos e as lutas começariam no outro dia, numa feira agropecuária. Pedi para ser acordado às 7h00, tomei um banho, desci, meu quarto era no 5º andar, tomei um bom café, sem experimentar nada estranho, principalmente um tal de “tacacá”. Quando saí já tinha carro com motorista esperando para levar-me até a agência para acertarmos todos os detalhes, inclusive o local dos shows, pois seriam cinco só na feira agropecuária, onde passavam 30 mil pessoas por dia. Era para ficar apenas 10 dias em Belém pois faríamos uma luta por dia. Ao fim da décima luta não quis renovar o contrato com a agência de eventos, que cumpriu religiosamente bem tudo o que foi acordado.

Acontece que havia sentido que tinha muitas praças ainda para fazer shows por lá, cidades do Pará, Macapá, na Serra Pelada, Manaus e outros estados. Acabamos ficando 3 meses em Belém, fazendo bate volta. Quando ficou decidido que não renovaria o contrato e que iria continuar por minha conta, a primeira atitude dos ex-contratantes foi tirar todos do Hotel 5 estrelas no qual estávamos hospedados e colocar a equipe toda na rua.

Porém a loucura das mulheres de Belém pela luta livre era tanta, que… Vocês querem saber onde fomos nos alojar no mesmo dia?!
Na zona! Isso mesmo… Na zona do meretricio!

Se Gostaram deste relato, me acompanhem, pois isso é só o começo, aconteceu de tudo nestes três meses que passarei a relatar em primeira-mão, todas as semanas. Se você não acreditar em qualquer uma das histórias, podem confirmar com o nosso narrador Jorginho, ele também estava lá!

Abraços a todos.

Deixe uma resposta